• Virginia Woolf, Alexandra Lemasson

    No lugar de uma epígrafe, a trilha sonora do Philip Glass para As Horas (clica vai) Sentei para escrever sobre a biografia da Virginia Woolf escrita pela Alexandra Lemasson e percebi que não seria possível levar a tarefa a bom termo sem refletir sobre o processo que me transformou em gente-que-lê. Após um tempo de …

    More  →
  • Hospício é Deus – Diário I, Maura Lopes Cançado

    O louco é divino, na minha tentativa fraca e angustiante de compreensão. É eterno. (CANÇADO, 2015, p. 25) A arte e a loucura sempre se cruzaram, ainda que de maneira tortuosa. Na literatura, a mente frágil e inconstante de alguns escritores gerou trabalhos de grande potência, como os do francês Antonin Artaud, do paulista Renato …

    More  →
  • Crônicas de São Paulo – um olhar indígena, Daniel Munduruku

    Em um texto intitulado “A vida ao rés-do-chão”, o qual se tornou referência nos estudos sobre crônica, o mestre Antonio Candido dá “Graças a deus” pelo fato dessa ser considerada um “gênero menor” na literatura. Esse alívio expresso por ele, justifica-se porque, sendo como é, a crônica chega mais junto da gente comum. Para Candido, …

    More  →
  • Diário de Bitita, Carolina Maria de Jesus

          Para mim, o mundo consistia em comer, crescer e brincar. Eu pensava: o mundo é gostoso para se viver nele. Eu nunca hei de morrer para não deixar o mundo. O mundo há de ser sempre meu. Se eu morrer, não vou ver o sol, não vou ver a lua, nem as …

    More  →
  • Minha vida de menina, Helena Morley

     Mas que hei de fazer se não posso mudar meu gênio? Trilha sonora: o belíssimo “Mulungu do Cerrado”, do grupo mineiro Uakti em parceria com o coral Tabinha. Ao final do século XIX, em meio às atribulações de um Brasil monárquico com pés na transição democrática, vivia em Diamantina uma família, mescla de mineiros e …

    More  →
  • Autoimperialismo, Benjamin Moser

    Este livro é dedicado ao Ocupe Estelita e a todos que se esforçam para construir um Brasil mais bonito   Há um livro sobre o Brasil e sua feiura arquitetônica que merece atenção: Autoimperialismo, de Benjamin Moser. Lançado esse ano, a obra é composta por três ensaios curtos – “Cemitério da Esperança: Brasília aos 50”, …

    More  →
  • Como conversar com um fascista, Marcia Tiburi

    A leitura dos ensaios da filósofa Marcia Tiburi, reunidos em Como conversar com um fascista – reflexões sobre o cotidiano autoritário brasileiro (Editora Record, 194 páginas), publicado em 2015, permanece imprescindível, sobretudo no cenário da atual política brasileira, em que vivenciamos um golpe travestido de impeachment onde as regras da democracia não são respeitadas. O …

    More  →
  • Carcereiros, Drauzio Varella

    “Aqui a noite é sem fim e o dia tem setenta horas”   Drauzio Varella é talvez o médico mais conhecido no Brasil. Suas aparições na televisão e nas redes sociais são parte de um esforço admirável de promoção da saúde física e mental que ele desenvolve há anos e em várias frentes. Parte do …

    More  →
  • Como um romance, Daniel Pennac

    While the truncheon may be used in lieu of conversation, words will always retain their power. Words offer the means to meaning, and for those who will listen, the enunciation of truth. And the truth is, there is something terribly wrong with this country, isn’t there? Cruelty and injustice, intolerance and oppression. Fairness, justice, and …

    More  →
  • As pequenas memórias, José Saramago

    Digo às vezes que não concebo nada tão magnífico e exemplar como irmos pela vida levando pela mão a criança que fomos, imaginar que cada um de nós teria de ser sempre dois, que fôssemos dois pela rua, tomando decisões, dois diante das diversas circunstâncias que nos rodeiam e nos provocam. Todos iríamos pela mão …

    More  →
  • Cartografias contemporâneas, Sandra Almeida

    Em seu Cartografias contemporâneas – espaço, corpo, escrita, Sandra Regina Goulart Almeida apresenta inicialmente um apanhado de pesquisas acerca do espaço literário e suas implicações culturais e de gênero, relacionando os textos críticos que discutem espaço, cultura e diáspora com romances contemporâneos escritos por mulheres - as chamadas narrativas de trânsito. Nos romances em tela, protagonistas femininas imigrantes [...] More  →