Tag Archives: Luanda

  • Quantas madrugadas tem a noite, Ondjaki

    a poesia não se procura tipo diamante, se encontra tipo arco-íris: ou há ou não há – sorte e azar dos olhos no depois da chuva. (p. 114)   Creio que a melhor forma de desenrolar minhas impressões sobre Quantas madrugadas tem a noite seja partir de uma fala de Maria Valéria Rezende, escritora que …

    More  →